segunda-feira, 22 de junho de 2009

CONVOCATÓRIA - CEB


Convocatória CEB
(Conselho de Entidades de Base)

Quarta – 24/06/2009
18:15h
Anfiteatro 11(Campus Darcy Ribeiro)


Proposta de pauta:
1. Informes
2. Comissão Preparatória do Congresso Estatuinte da UnB
3. Fundações de apoio

Se você tem a proposta de alguma outra pauta, mande um e-mail para dce@unb.br

4 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Fico muito contente pelo CEB ter optado pela Pluralidade estudantil tornando requisito fundamental para fazer parte da comissão preparatoria do Congresso Estatuinte APENAS estudantes Pró-paridade, excluindo grupos contra-paridade da preparaçao do congresso. Acredito que isso será muito proveitoso para enviesar o debate estudantil e calar os movimentos dicidentes, maquiando a "democratização" da produção do conhecimento.

    ResponderExcluir
  3. Thiago, assumir uma posição não é excluir. O CEB não calou ninguém, apenas asssumiu posição (quase unânime) pró-paridade. O discurso da pluralidade não pode servir para sufocar o direito à diferença, o que inclui o direito à assunção de uma identidade. Ninguém quer calar o grupo contra a paridade, vocês podem continuar se manifestando. O que não pode é uma minoria reduzida querer ocupar o espaço que tem de ser ocupado pela representação majoritária dos estudantes.

    ResponderExcluir
  4. Aí está, Thiago:

    http://prafazerdiferente-unb.blogspot.com/2009/07/escreva-para-o-jornal-do-dce.html

    Não queremos calar ninguém, queremos é abrir canais para que mais vozes se manifestem e debatam! O espaço na comissão votada pelo CEB, no entanto, é um espaço de representação dos estudantes da UnB, a ser feita majoritariamente. Deve fundar-se no debate público, mas na hora de tomar posição, democrático é fazê-lo segundo a regra da maioria. E os estudantes da UnB já manifestaram amplamente e repetidas vezes, desde o ano passado, sua posição pelo Congresso Estatuinte Paritário:

    - Assembléia-Geral da ocupação da Reitoria, com milhares de estudantes (atendendo inclusive a exigência estatutária do quórum) deliberou a favor do Congresso Estatuinte Paritário e da paridade nas eleições para o Reitor, de forma quase unânime;

    - Todas as quatro chapas que concorreram à eleição deste ano para a Gestão Diretora do DCE defendiam esse ponto;

    - Quatro das cinco chapas que concorriam para as vagas de Representante Discente nos Conselhos Superiores, idem (e a outra chapa não apresentou posição contra). E essas quatro chapas tiveram enorme percentagem dos votos.

    - O CEB posicionou-se quase por unanimidade no mesmo sentido.

    Antidemocrático, aí, seria um grupo minoritário querer usurpar um espaço de representação que deve ser legitimamente exercido pela maioria dos estudantes.

    Uma das diferenças entre o nosso grupo e as gestões que nos antecederam nos últimos anos é que enfatizamos o papel da Direção do DCE de construir espaço público de discussão do movimento estudantil, e fundamentar nisso as decisões do DCE. Esse espaço público acontece pela condução adequada (ética, pública, feita com lisura) das eleições da Diretoria do DCE, das reuniões do CEB e das Assembléias-Gerais, e também (no que inovamos) pela abertura de espaços de comunicação e debate de vozes plurais do movimento estudantil da Universidade (o que faremos por meio do jornal e temos feito nos debates que promovemos, em que buscamos garantir a participação de atores com os quais divergimos).

    ResponderExcluir